a crise está em mim. a crise sou eu.










Tuesday, December 22, 2009

december

















Dezembro está a passar ao largo, puxado por debaixo dos meus pés.

derrete de imediato, não como a neve serena lá fora.
escorre veloz, mais do que a chuva triste lá fora.
chove cadente cá dentro
para se perder no ralo da cidade-pérola lá fora.

são milhares de medos-cúbicos.

regariam pinheiros, não estivessem eles mortos e trasladados em salas de jantar embaciadas.
o natal acontece num glaciar longínquo.
há praias que vêem gaivotas caírem mortas na areia.
os pinhais celebram as tardes fúnebres.
ausência, presença. restícios.
hectares de raízes cortadas e desenterradas, repetidamente.

cepos. pinhas. lareiras.
roupa a secar. tachos ao lume.
mantas. sofás. filhoses.

frieiras nas mãos. gelo no sangue.
cristais sublimes.

pele. carne. queimadura.

1 comment:

ines said...

um dezembro com tudo a que tens direito portanto. costuma dizer-se que os melhores momentos acontecem num ápice, logo este deve ter sido um bom mês. tenta gravá-lo, para o ano já só restam memórias vagas. e pelo menos aí neva, sortudo! por cá só nos chega a chuva e frio. não só "cá dentro" como te chove, mas também lá fora, e não deixa margem a pegadas. fazes-me um anjo este natal? retrata-o e envia-me, depois memoriza-o e descreve-mo. também tenho direito a um miminho de natal.=)
apenas umas horas até à tua prendinha natalícia. bjola
e um até amanhã**